DSC 0804

O Secretário de Administração Prisional e Socioeducativa, Leandro Lima, recebeu nesta sexta-feira (09), na sede da SAP, em Florianópolis, uma equipe de servidores da Secretaria de Ressocialização e Inclusão Social do Estado de Alagoas, que veio à Santa Catarina para conhecer, na prática, a aplicabilidade dos fundos rotativos. Na oportunidade Leandro Lima reforçou a importância de se estabelecer uma gestão empreendedora nas unidades prisionais, com vistas à reabilitação social e econômica dos internos e ao fortalecimento dos fundos rotativos. "Não basta apenas oferecer atividade laboral. Temos que construir parcerias com a iniciativa privada e abrir vagas de trabalho qualificadas, focadas na vocação econômica da região. Isso resulta em recursos que podem ser totalmente reinvestidos na unidade geradora", observou.
Leandro Lima destacou que, além de uma estratégia de segurança, o trabalho e a educação são fundamentais para que o apenado retorne com mais dignidade para o convívio social. "Quando o interno trabalha, ele recebe um salário da empresa que o contrata e 25% desse valor volta para o estado a título de indenização. Esse valor vai para o fundo rotativo da unidade e é totalmente reinvestido na unidade que o gerou. Por isso a importância de uma gestão empreendedora na unidade. Os recursos são usados tanto em melhorias estruturais, quanto na aquisição de equipamentos para a montagem de oficinas do próprio fundo. Os 75% restantes são para o interno que pode destinar para sua família", complementou.
A equipe, formada pela Chefe de Planejamento, Orçamento, Finanças e Contabilidade, Amanda Karoline Araújo de Moura; a Assessora da Chefia de Planejamento, Orçamento, Finanças e Contabilidade, Amélia Danielle Araújo de Moura; o Gerente de Planejamento e Orçamento, Thiago Almeida Uchoa e a Assessora da Gerência de Finanças e Contabilidade, Rosilene Maria Macário, visitou o Complexo Penitenciário de Chapecó, a Penitenciária da Região de Curitibanos e áreas técnicas da SAP para conhecer o sistema de saúde, a oferta de ensino formal e cursos profissionalizantes, os desafios da atividade laboral, a área de inteligência e o sistema de monitoramento eletrônico. “Saio daqui com uma nova visão do sistema prisional. Santa Catarina tem um trabalho de excelência porque a gente vê que funciona, que gera resultado”, enfatizou Amanda Moura.
No Complexo de Chapecó, a equipe de servidores alagoanos visitou as unidades e as oficinas de trabalho, onde há intensa atividade têxtil, com produção de roupas infantis, roupa de cama, produção agrícola, plásticos, máscara de proteção, entre outros. Em Curitibanos conheceram a fábrica de estofados, a oficina de artefatos de madeira, de cimento, de embalagens e metalurgia.